Livro: Clube da Luta

O filme  de David Fincher que conta com o elenco maravilhoso composto por Brad Pitt, Edward Norton e a Helena Bonham Carter foi uma das poucas adaptações para o cinema que chegou bem perto de retratar fielmente o livro que a baseou, mas é no livro que se evidencia o objetivo de Chuck Palahnuik: mostrar de forma bem crua o espírito humano, e nesse caso o que fica exposto é tão ou mais pesado que a violência das lutas.

É um livro que traz muitas sensações e te prende capítulo a capítulo. Narra a história de um homem consumido pela insônia e a apatia derivada da profunda insatisfação com a sua vida. Tudo parece perfeito: ele tem uma boa casa, um bom emprego e aparentemente atingiu o que a sociedade definiria como “sucesso”, mas só consegue amenizar sua insônia e encontrar sentido para sua existência frequentando grupos de apoio a doentes terminais, onde ouvir histórias de pessoas com problemas “reais” acaba sendo a única forma de preencher o vazio que sente. Até que surge Marla Singer, que assim como ele, encontrou nos grupos um alívio para seus próprios problemas, a presença dela acaba por perturbá-lo evidenciando seu interesse romântico por ela.

Ocasionalmente conhece Tyler Durden, uma figura que vive ao seu próprio modo totalmente alheio aos padrões convencionais, que o mostra uma nova forma de viver, juntos eles formam o Clube da Luta, que a príncipio é uma forma de usar atos violentos como válvula de escape, um lugar para que as pessoas expurguem suas insatisfações pessoais, mas com o tempo se torna um projeto que visa mudar todo o padrão de uma sociedade voltada para o consumismo exacerbado e superficialismo.

O escritor escreve de forma subversiva, relatando de forma ácida e divertida eventos nada convencionais. Antes de qualquer coisa é um mergulho profundo na psique e nas indagações do personagem e por consequência nas nossas, um livro sobre viver fora da curva, de uma forma extremista o autor indaga sobre o modo que estamos levando a vida, se estamos buscando o que realmente queremos e somos ou se estamos acomodados numa zona de conforto.

Versão interativa do clipe “Look Around” do Red Hot Chilli Peppers

A banda californiana Red Hot Chili Peppers liberou ontem uma versão interativa do terceiro clipe do seu álbum mais recente “I’m With You”. O vídeo de Look Around é repleto de curiosidades, pra começar você pode escolher com a ajuda do mouse qual integrante da banda quer assistir, aproximar ou afastar a tela, entre outras peripécias. O vídeo também conta com vários recursos escondidos no cenário que revelam detalhes sobre as gravações, fotos inéditas e bastidores. Eu achei super divertido e aposto que os fãs vão perder alguns bons minutos com esse clipe.

Dave Grohl fala sobre o Festival Lollapalooza Brasil

Esse último mês foi corrido, intenso e repleto de acontecimentos importantes, dentre eles os shows do Pearl Jam no Brasil, que espero ainda conseguir escrever a respeito. Ocorreram mudanças internas também, além de muitas resoluções que, aos poucos, pretendo compartilhar com vocês.  Essa é uma breve explicação da minha ausência, apesar de tantas coisas, musicalmente falando, estarem explodirem na minha cara. Dentre elas, a confirmação da banda mais esperada no Brasil nos últimos tempos, o Foo Fighters. Como todos já sabem eles tocam ano que vem no Festival Loolapalooza. Apesar da insatisfação generalizada causada  pelo show único e pelo alto valor do ingresso, o que prevalece mesma é a expectativa, afinal a banda veio ao Brasil uma única vez no ano de 2001 para tocar no Rock In Rio III. A espera de 10 anos e a indiscutível evolução musical que culminou no incrível “Wasting Light”, último trabalho da banda está causando uma imensa ansiedade em todos os fãs brasileiros.

Dave Grohl, vocalista do Foo Fighters, com seu bom humor típico e despido de qualquer modéstia concedeu uma entrevista para a organização do festival e falou um pouco sobre o público brasileiro, suas expectativas sobre o show e as bandas que ele não pretende perder. Quem não assistiu ainda, faça isso já!

O show promete mesmo ser épico, como o próprio Dave brincou “Nós estamos dez anos melhores”, fato que ninguém, em sã consciência, pode contestar! 😉

Cinema + Música na mostra: É o Jazz!! no CCBB RJ

Estava ansiosa pra começar a postar aqui eventos culturais interessantes que acontecem por aí. Quem me conhece sabe que eu amo todas as expressões artísticas, especialmente aquelas que estão voltadas para música. Vou iniciar esse tema com uma mostra que está rolando no CCBB RJ desde a última sexta-feira (9), que engloba dois temas poderosos: cinema e música.

“É o Jazz!!”  é o nome da mostra de 42 filmes sobre os grandes momentos do jazz no cinema. Atualmente o tema “Jazz” está em voga, o que não banaliza a importância desse estilo que já faz minha cabeça bem antes de virar modinha nas noites cariocas.

Os fãs de Jazz podem fazer a festa, já que a mostra está sendo realizada simultaneamente com a exposição “Queremos Miles”, onde encontramos  gravações, pinturas, fotografias, vídeos, documentários, roupas, instrumentos musicais e partituras do artista.

Entre os filmes um destaque especial para: “O mundo segundo John Coltrane” que conta a história de um dos mais conhecidos (e amados) jazzistas da história; “Bird” que retrata a vida do saxofonista Charlie Parker, dirigido por Clint Eastwood; “Ascensor para o cadafalso” de Louis Malle, com trilha de Miles Davis e “Por volta da meia-noite” que ganhou o Oscar de melhor trilha sonora a Herbie Hancock,  estrelado pelo saxofonista Dexter Gordon. É impossível assistir todas as sessões, mas dá pra montar uma seleção bem legal. A programação completa você confere aqui.

A mostra  É o Jazz!! está dividida em três blocos: jam sessions (documentários ou filmes sobre shows), jazz tracks (longas com trilhas compostas por grandes nomes do jazz) e estética do jazz (filmes em que o jazz integra a estrutura narrativa).

16h – Estética do Jazz
19h – Jazz Tracks
Sábados, 10 e 17 set, 16h – Jam Session
Sábados, 24 set e 1º out – Sessão Criança

Quinta, 29 set, 20h – Bate papo com o público: “Diálogos entre o cinema e o jazz”.

Sala Cinema 1

Quarta, 28 set, 19h – Sessão Especial

Mais informações você encontra no site do ccbb ou no telefone  (21) 3808-2020. As sessões são gratuitas com distribuição de senhas 1h antes das sessões.